Qual o papel do Fisioterapeuta na prevenção por Ft. Luís Mesquita

Tópicos em 'Penso logo opino...' iniciados por FisioZone, 9 Nov 2014.

  1. FisioZone

    FisioZone Administrador

    Durante este ano de 2014 ocorreu um "boom" de informação sobre prevenção de lesões. Isto deveu-se sobretudo ao Campeonato do Mundo de Futebol, com claros exemplos de insucesso, marcados pela ocorrência de inúmeras lesões, e um fantástico caso de sucesso, a Seleção Nacional Alemã que desenvolve um incrível trabalho ao nível de condição física dos atletas, e que venceu a competição.

    [​IMG]

    Após esta breve introdução, surge uma importante questão: há correlação entre a lesão e o sucesso desportivo? A resposta parece ser lógica, claro que sim. Uma menor incidência de lesão aumenta a performance individual de um atleta, assim como o sucesso da equipa.

    Mas será possível prevenir lesões? É impossível abolir por completo as lesões no desporto, isso é um facto. Existem fatores que estão fora do controlo do treino ou da preparação física de um atleta. Tal como o nome indica, um jogo é composto por variáveis imprevisíveis e aleatórias. No entanto, é possível minimizar a incidência de lesão, através da correção dos fatores de risco que podem aumentar a probabilidade de ocorrência de lesão.

    [​IMG]

    Existem dois grupos de fatores de risco, intrínsecos ou extrínsecos ao atleta. Tradicionalmente é dado muito ênfase aos fatores extrínsecos, tais como calçado, tipo de piso, etc. De facto, podem ter um papel ativo no mecanismo de lesão, no entanto são os fatores de risco intrínsecos ao atleta que devem ser o principal foco de atenção. Alguns fatores de risco intrínsecos são inalteráveis, tais como sexo, idade, raça, mas a nossa intervenção centra-se nos fatores de risco variáveis, tais como postura, força, flexibilidade, controlo motor, alimentação, hidratação, entre outros.

    [​IMG]

    Existe um dado adquirido: o tempo está diretamente relacionado com a capacidade física e com a experiência de um atleta, formando curvas de desenvolvimento inversas - à medida que o tempo passa a capacidade física diminui, enquanto que a experiência aumenta. O ponto ótimo de performance é obtido quando as duas curvas se interceptam, o que ocorre por volta dos 27 anos de idade. O departamento responsável pela prevenção de lesões e otimização de performance tem como objetivo máximo retardar o momento em que estas duas curvas se interceptam, através da intervenção na curva de capacidade física, ou seja, aumentar a duração da carreira desportiva de um atleta, ao mais alto nível de rendimento.
    Este departamento deverá ser composto por uma equipa multidisciplinar formada por Fisioterapeutas, Médicos, Enfermeiros, Preparadores Físicos, Nutricionistas, Psicólogos, etc. Basicamente poderá ser formado por profissionais de Saúde e das Ciências do Desporto. Todos estes profissionais deverão trabalhar em conjunto para alcançar o sucesso desportivo. O papel do Fisioterapeuta é fundamental enquanto membro deste departamento. É o profissional que idealmente deverá dominar a Anatomia Funcional e Biomecânica Lesional, adaptadas ao desporto e alto rendimento, para além de tudo o que envolva o exercício terapêutico
    e preventivo. O Fisioterapeuta do Desporto deverá ser competente a reabilitar lesões, mas deverá ser ainda mais competente a preveni-las.

    [​IMG]

    É neste ponto que muita controvérsia é gerada: onde começa e acaba a intervenção do Fisioterapeuta e do Preparador Físico? Não existe resposta para essa questão, uma vez que a intervenção de um não deverá viver sem a intervenção do outro. As duas intervenções complementam-se, e idealmente o Fisioterapeuta deverá estar encarregue pela avaliação dinâmica dos fatores de risco de lesão e na supervisão de um programa individualizado com o objetivo de corrigir os fatores de risco intrínsecos ao atleta; o Preparador Físico deverá dar continuidade ao trabalho de base do Fisioterapeuta, para potenciar a performance do atleta sem risco de lesão acrescido. É essencial existir uma linguagem comum e universal entre estes dois profissionais.

    Toda a intervenção deve englobar quatro pilares fundamentais, formando um sistema de intervenção: Movimento, Nutrição, Mindset/Mentalidade, e Recuperação/Regeneração. Através destes quatro pontos interligados entre si, é possível tornar um bom atleta num campeão:

    Movimento: antes de um atleta marcar muitos golos, correr muito rápido, saltar muito alto, é necessário que este saiba como se movimentar de forma correta e eficiente. Para isso é essencial realizar com boa qualidade os padrões de movimento fundamentais quer para a vida diária, quer para a atividade desportiva. Para tal, é necessária a existência de bons níveis de mobilidade, estabilidade e controlo motor. Como analogia, podemos verificar que a construção de um edifício começa sempre pelo chão, e nunca pelo telhado. É aqui que o papel do Fisioterapeuta é fulcral, quer na avaliação, quer na intervenção. Através da identificação dos
    fatores de risco de lesão, e consequente correção dos mesmos, é possível evitar um grande número de lesões. Fará sentido treinar saltos, se o atleta não tiver boa estabilidade e mobilidade lombopélvica, estabilidade do joelho e mobilidade do tornozelo? Para além de o risco de lesão estar aumentado, a sua performance nunca será máxima sem corrigir esses défices. Será que deve calcular equações matemáticas complexas, se não é capaz de concluir com sucesso um cálculo de somar? Depois de todos os fundamentos estarem presentes, é necessário treinar a aceleração, a velocidade, a agilidade, a força e o desenvolvimento dos sistemas energéticos, de modo a exponenciar todas as capacidades atléticas: é neste momento que o trabalho do
    preparador físico é fundamental.

    Nutrição: a alimentação e hidratação são fundamentais na performance desportiva. Para exponenciar a capacidade de um atleta, este é um dos pontos mais importantes. Como analogia podemos utilizar um Ferrari: se temos um Ferrari, temos que utilizar o melhor combustível do mercado de forma a ter um melhor funcionamento. Este ponto deve ser coordenado somente por um Nutricionista.

    Mindset/Mentalidade: um atleta que possua um bom "hardware", ou seja, boa capacidade física, se não tiver um "software" com boa capacidade, neste caso um Sistema Nervoso Central equilibrado, não será capaz de exponenciar ao máximo as suas capacidades. Um computador com especificações de topo, se não tiver um sistema operativo à mesma altura, não será um óptimo computador. Neste ponto o coordenador será o Psicólogo desportivo, no entanto, todos os elementos em redor do atleta são fundamentais para manter o equilíbrio, desde dirigentes, treinadores, departamento médico, familiares, amigos, etc.

    Recuperação/Regeneração: este é um dos pontos mais importantes do treino. Sim, treino. Porque a recuperação é uma componente do treino. É um dos erros mais comuns no mundo do desporto: treinar, treinar, treinar, e não resta tempo para recuperar. O off-season é a única altura em que o objetivo do treino é desenvolvimento, e a recuperação segue para segundo plano. Durante o período competitivo, o principal objetivo do treino é recuperar os atletas mantendo o nível de desempenho ou atrasando a diminuição do mesmo, que inevitavelmente irá acontecer. É mais um momento no qual o Fisioterapeuta pode ter um papel fundamental, em conjunto com o Preparador Físico, Psicólogo e Nutricionista. O sono é essencial para a recuperação, mas recuperar não consiste apenas em descansar. Há momentos em que o descanso é importante, mas na maior parte dos casos a recuperação impera. Daí que o dia de recuperação seja uma
    componente importante do treino.

    [​IMG]

    De forma resumida, e destacando o papel do Fisioterapeuta, é um profissional essencial para diminuir a incidência de lesão numa equipa desportiva, e consequentemente aumentar o rendimento da mesma. O Fisioterapeuta deve focar-se na avaliação dos fatores de risco intrínsecos ao atleta, e na correção dos mesmos, assim como também pode desempenhar um papel muito importante na recuperação dos atletas. Tudo isto deverá ser conjugado com as funções dos restantes elementos do departamento de prevenção de lesões e otimização de performance.

    Existem muitos métodos para intervir em cada um dos quatro pilares atrás referidos. Mas mais importante do que discutir os métodos, devemos discutir o sistema, os princípios a seguir. Antes de possuir muitas ferramentas, é muito importante existir uma caixa para guardar todas essas ferramentas. Se não tiver uma caixa de ferramentas, tudo fica desorganizado e não é possível utilizar a melhor ferramenta no devido momento.

    "As to methods there may be a million and then some, but principles are few. The man who
    grasps principles can successfully select his own methods. The man who tries methods,
    ignoring principles, is sure to have trouble.”
    Ralph Waldo Emerson
    Last edited: 9 Nov 2014

Partilhar esta página